RSS

PNL

Obra: Contos para rir

Autor:

Ilustrador:

Editora:

História: Troca Tintas

             Era uma vez, o Zé Troca-Tintas. Trabalhar fazia-lhe calos nas mãos e pensar, doer a cabeça. O Zé era pedintee um dia passou por  um cozinheiro e pediu:

-Ó senhor,  dê-me qualquer coisa. 

-Daqui só levas uma ervilha.

O Zé, com a ervilha, foi ter a uma feira, deixou cair a ervilha, e um galo comeu-a:

-A minha única riqueza! Se não me dá o galo, vai a tribunal!

A senhora deu-lhe o galo para evitar confusões e ele foi-se embora.

Mais tarde ele foi ter a uma quinta e dormiu lá. De manhã, o galo começou a cantar antes do Sol nascer e um porco já cheio de o ouvir, esmagou-o.

Então o Zé virou-se para o dono e disse:

-Ou me dás o porco ou chamo a polícia.

O senhor, que não queria nada com a justiça deu-lhe o porco e mandou-o embora. Mais tarde, o Zé levou o porco a beber água a uma poça onde estavam as vacas a beber e ele sujou a água. Uma das vacas furiosa atirou-se para cima do porco que até lhe saíram-lhe as tripas. 

O Zé disse aflito:

-Ó pastor, tem de me dar essa vaca senão vai a tribunal!

O pastor deu-lhe a vaca e ele foi-se embora. O Zé foi muito feliz passear com a vaca. Depois viu quatro homens a transportar uma grande caixa, e ele começou a pensar que poderia ter um tesouro. A vaca apareceu  e  os homens assustaram-se, deixaram cair a caixa em cima dela e  feriram-na. O Zé olhou para a vaca magoada e disse então:

-Ou me dão a caixa ou eu chamo a polícia.

 Os homens deram-lhe a caixa e ele foi a correr abri-la, pensando que lá dentro estava um tesouro, mas estava lá apenas uma velha morta. Mas ele não se ralou. Chegou a casa de um casal pobre onde lhes pediu abrigo. Durante a noite, tirou a velha do caixão e -la tão perto do lume que ela ficou toda queimada, parecia carvão.Perante aquilo, o Zé Troca Tintas voltou a ameaçar:

 -Ou me dão alguma coisa em troca ou chamo a polícia.- disse o Zé.

 O casal aflito, foi buscar um saco de batatas. Enquanto isso, o Zé olhou em redor para ver se via alguma coisa valiosa, e viu uma menina linda.

 Ele pegou na menina e meteu-a dentro de um saco e fugiu. Foi ter a um palacete que era a morada dos padrinhos da menina. De noite a menina começou a chorar e a madrinha foi ver que barulho era aquele e encontrou a sua afilhada. Foi então buscar o cão de guarda e trocou-o pela menina, metendo-o dentro do saco. Logo pela manhã, os criados puseram-no na rua. O Zé já estava a ficar cansado de tanto carregar o saco, abriu-o para tirar a menina para ela ir pelo seu próprio pé.

 Quando o abriu, saiu de lá o cão que lhe comeu o nariz.

Matilde




0 comentários: